SGB – Serviço Geológico do Brasil | SACE

Acompanhe a evolução dos níveis em tempo real

Cheias no RS – 05.05.2024

O Serviço Geológico do Brasil comunica que, excepcionalmente, as informações sobre as estações localizadas no Lagoa dos Patos estão sendo divulgadas no Sistema de Monitoramento Hidrológico dentro da Bacia do Rio Taquari.
A cheia que ocorre de forma extraordinária em Porto Alegre, capital do Rio Grande do Sul, fazendo transbordar o Guaíba, se deslocará para a Lagoa dos Patos que tem sua foz no mar em Rio Grande, na Zona Sul do estado. Já estão em alerta Pelotas e cidades da região.
A ação faz parte do trabalho realizado pelo SGB, empresa pública vinculada ao Ministério de Minas e Energia , em parceria com a sala de crise do governo federal, defesas civis e governos locais, com o objetivo de facilitar o acompanhamento da evolução do evento climático por parte da população e para análise dos tomadores de decisão.

Bacia do Taquari: SGB insere mais estações para acompanhamento da afluência ao Guaíba

Ação facilitará a compreensão da situação pela população e análise dos tomadores de decisão

Porto Alegre (RS) – Com o objetivo de facilitar o monitoramento da cheia na cidade de Porto Alegre, o Serviço Geológico do Brasil (SGB) incluiu temporariamente no SACE da Bacia do Taquari algumas estações para acompanhamento da afluência ao Guaíba, nos rios: Jacuí, Caí, Sinos, Gravataí e a estação Porto Alegre no próprio Guaíba.

As estações inseridas para acompanhamento do nível no Guaíba foram: Dona Francisca, Rio Pardo, Passo das Canoas Auxiliar (no município de Gravataí), São Leopoldo, Campo Bom e Feliz.

Para Alice Castilho, diretora de Hidrologia e Gestão Territorial do SGB, a inclusão das estações no SACE do Taquari auxiliarão o acompanhamento da afluência ao Guaíba. “Essa iniciativa facilitará a compreensão da situação pela população e análise dos tomadores de decisão”, informou.

Leia na íntegra >> 

______________________________

SACE é a plataforma desenvolvida pelo Serviço Geológico do Brasil (CPRM) para disponibilizar todas as informações geradas no contexto dos Sistemas de Alerta Hidrológico (SAHs). Aqui, são reunidas todas as informações disponíveis para cada bacia hidrográfica, como o monitoramento automático de chuvas e níveis de rios em diversas estações hidrometeorológicas, os links para os mapas de riscos dos municípios e todos os boletins de monitoramento e alertas publicados.

O objetivo dos SAHs consiste no monitoramento e previsão de níveis de rios, gerando e disseminando informações hidrológicas para subsidiar a tomada de decisões por parte da população e dos órgãos relacionadas à mitigação dos impactos de eventos hidrológicos extremos.

Como funciona?
Nas salas de monitoramento da CPRM, as equipes trabalham com dados que são recebidos a cada 1 hora, por transmissores via satélite ou GSM instalados nas estações de monitoramento automáticas. Esses dados são provenientes das estações da Rede Hidrometeorológica Nacional (RHN), de responsabilidade da Agência Nacional das Águas, e operada pela CPRM. Tais estações são dotadas de sensores de nível, que medem a variação nos níveis das águas com alta precisão, bem como pluviômetros automáticos, capazes de registrar a quantidade de chuva em intervalos de segundos. Os dados são recebidos, consistidos e processados por meio de modelos hidrológicos elaborados pela equipe da CPRM, e consolidados em forma de boletins de monitoramento, enviados às defesas civis estaduais, municipais, ao CENAD, à ANA, ao CEMADEN, e demais órgãos de interesse. Sempre que há necessidade, são enviados também boletins de alerta hidrológico, com informações adicionais de previsões dos níveis dos rios, de forma que os órgãos atuantes possam se preparar da melhor forma possível para o evento.

Para a operacionalização dos Sistemas, é importante o conhecimento dos impactos associados à variação dos níveis dos rios dentro de cada município, através das chamadas “Cotas de Referência”. No contexto dos SAHs, as cotas de referência associadas às inundações graduais seguem as seguintes definições:

  • Cota de Inundação Severa: Cota em que a inundação provoca danos severos ao município
  • Cota de Inundação: Cota em que o primeiro dano é observado no município
  • Cota de Alerta: Possibilidade elevada de ocorrência de inundação
  • Cota de Atenção: Possibilidade moderada de ocorrência de inundação
Sistemas de Alerta – Acompanhe em tempo real

 

Fonte: SGB

Compartilhe esse conteúdo:

Siga-nos:

Parceiro de conteúdo

Digital Water

Digital Water

O DW Journal é uma fonte de notícias, artigos técnicos, estudos de caso e recursos científicos sobre o setor de águas, efluentes e meio ambiente. O DW Journal possui como missão, ser um impulsor de atividades técnico-científicas, político-institucionais e de gestão que colaborem para o desenvolvimento do saneamento ambiental, buscando à melhoria da saúde, do meio ambiente e da qualidade de vida das pessoas.

Nossos cursos

DW Journal

Nossos Parceiros

veolia_water_technologies_solutions
veolia_water_technologies_solutions
veolia_water_technologies_solutions
veolia_water_technologies_solutions
veolia_water_technologies_solutions
veolia_water_technologies_solutions
veolia_water_technologies_solutions
veolia_water_technologies_solutions

Guia do Saneamento

Produtos

Conteúdos relacionados

ANA convida atores do setor de saneamento para discutir sobre estrutura tarifária e tarifa social

ANA convida atores do setor de saneamento para discutir sobre estrutura tarifária e tarifa social

Os debates fazem parte da Agenda Regulatória da ANA para 2024 e buscam reunir os agentes do setor de saneamento para aprofundar as discussões sobre o consumo mínimo e tarifa por disponibilidade; categorias de consumidores; quantidade e tamanho das faixas (ou blocos) de consumo; tarifa Social e a nova Lei nº 14.898/2024; e outras questões relacionadas ao tema.

ler mais
Usamos cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência. Ao navegar neste site, você concorda com a nossa Política de Privacidade.