A Importância e os Cuidados com o Consumo de Cloro na Água

O cloro apresenta alta reatividade, sendo um forte oxidante, motivo pelo qual reage com inúmeras substâncias orgânicas e inorgânicas presentes na água que diminui sua ação residual.

Cuidados e consumo de cloro na Água

Nos sistemas de tratamento de água, a etapa de desinfecção é de suma importância para garantir que a água esteja isenta de microrganismos relacionados às doenças de veiculação hídrica. A cloração é o método mais antigo e mais amplamente utilizado devido a sua disponibilidade, baixo custo e ação residual. Sendo aplicada em concentrações que não sejam prejudiciais ao homem, sua ação é eficaz e protege o sistema de distribuição de água.

cloro-na-agua

O cloro apresenta alta reatividade, sendo um forte oxidante, motivo pelo qual reage com inúmeras substâncias orgânicas e inorgânicas presentes na água que diminui sua ação residual. Por isso, a concentração de cloro na rede de distribuição varia muito de acordo com as substâncias reativas encontradas na água.

Uma forma de garantir a presença de cloro residual nos sistemas de distribuição de água é o aumento das dosagens de cloro nas estações de tratamento de água. Contudo, esta estratégia pode resultar em problemas como sabor e odor desagradáveis, possibilidade de formação de subprodutos tóxicos que comprometem a segurança do consumo da água, excesso de cloro nos pontos mais próximos à estação e ainda o aumento do custo.

No Brasil, a Portaria MS nº 2.914, publicada em 12 de dezembro de 2011, dispõe sobre os procedimentos de controle e vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade. A publicação desta portaria foi resultado do amplo processo de discussão para revisão da Portaria MS nº 518/2004, realizado no período de 2009 a 2011, sob a coordenação do Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador (DSAST), da Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS) do Ministério da Saúde (MS).

Cloro residual livre na água potável

Uma das exigências é a presença do cloro residual livre na água potável em qualquer ponto da rede de distribuição. O artigo estabelece que após a desinfecção, a água deve conter um teor mínimo de cloro residual livre de 0,2 mg/L que deve estar presente na água no sistema de distribuição (reservatório e rede) para garantir a potabilidade da água durante a sua distribuição.

O Valor Máximo Permitido (VMP) de cloro residual permitido é de 2,0 mg/L, valor acima do qual ofereceria riscos à saúde da população. Se uma amostra de água apresenta uma concentração de cloro residual livre superior a 5,0 mg/L, ela não atende ao padrão de potabilidade.

O controle do parâmetro Cloro Residual Livre costuma gerar muitas dúvidas devido ao fato de que seu valor máximo permitido, que consta no Anexo VII da referida portaria como 5 mg/L, não coincide com o valor recomendado pela norma, que é de até 2 mg/L, como descrito no Artigo 39. Essa diferença diz respeito à importância que cada um desses números representa: a partir de 2 mg/L, é possível perceber o cloro residual livre pelo consumidor, pois desperta seus estímulos sensoriais, como por exemplo seu sabor e odor, ou seja, ultrapassar esse limite significa que a água está fora do padrão organoléptico, mesmo que não necessariamente isso implique risco à saúde humana. No entanto, a partir de 5 mg/L, a concentração desse parâmetro passa a não só afetar a aceitação para consumo como também oferece danos à saúde.

Legislação

A legislação, estabelecida pelo Ministério da Saúde, define também a quantidade mínima, a frequência em que as amostras de água devem ser coletadas e os limites permitidos. As companhias de saneamento garantem a qualidade da água até o hidrômetro, a partir daí a responsabilidade é do cliente, por isso a importância em higienizar regularmente (recomendável a cada seis meses) a caixa d’água para ajudar a evitar acúmulo de sujeira e presença de micro-organismos.

Intervalo da limpeza

O intervalo da limpeza vai depender da localização da residência. Quanto mais longe da rede de abastecimento, mais suja a água vai ser. Em atendimento às exigências estabelecidas, a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), como exemplo, analisa a qualidade da água desde a origem até os pontos de consumo. Para assegurar a confiabilidade do seu produto, a empresa executa um forte trabalho nas suas centrais de controle sanitário, estrategicamente instaladas pela Região Metropolitana de São Paulo, Interior e Litoral.

Quando as amostras da rede de distribuição apresentam resultados fora dos padrões estabelecidos, o problema é imediatamente solucionado para que a qualidade volte ao normal. Depois de todas as providências tomadas, a água passa por novos testes.

 

Diversos fatores podem afetar a manutenção do cloro residual ao longo da rede de distribuição como: o decaimento do cloro residual, aumento do número de bactérias devido à temperatura, aumento de carga orgânica, vazamentos e rompimentos.

A etapa de cloração nas estações de tratamento de água proporciona a desinfecção e não a esterilização da água. Isto significa que microrganismos não patogênicos podem resistir ao processo de cloração e estar presentes na rede de distribuição da água. As principais bactérias desta classe encontradas nas redes são as ferrobactérias que são capazes de extrair o ferro da água ou de canalizações e superfícies com a qual entram em contato. Estas bactérias são responsáveis pela formação do biofilme que é a deposição de uma película na canalização resultante da formação de hidróxido de ferro gelatinoso. Este processo reduz a capacidade de condução da água, além de causar corrosão e de produzir sabor e odor desagradáveis.

Outro grave problema que acontece na rede de distribuição de água é a ligação cruzada. Esta ocorre quando uma fonte de água contaminada, esgoto ou produtos químicos são ligados e introduzidos no sistema de distribuição. As ligações cruzadas podem causar doenças graves e até morte. Um programa de controle para detectar este tipo de ligação é fundamental para garantir a qualidade da água no sistema de distribuição.

Manutenção de um residual de cloro livre

A manutenção de um residual de cloro livre adequado minimiza este problema, mas, nem sempre estes valores recomendados eliminam o risco de contaminação. O monitoramento com coleta de amostras em diversos pontos da rede de distribuição é essencial. Assim, uma queda ou extinção do residual de cloro pode significar a presença de uma ligação cruzada e, assim, a sua localização. A aplicação de cloro em outros pontos estratégicos da rede de distribuição também pode ser utilizada.

Historicamente, a cloração tradicional não consegue resolver estas questões de cloro na ponta da rede, sem ter que recorrer a dosagens maiores de cloro na saída da E.T.A ou à inclusão de pontos de recloração. A utilização de solução mista de oxidantes contendo hipoclorito e peróxido de hidrogênio tem sido a alternativa que obtém melhores resultados. Isto porque o peróxido de hidrogênio tem ação oxidante mais rápida que o hipoclorito. Desta forma, a demanda de cloro passa a ser menor, permitindo que o poder oxidante e de proteção do cloro percorra toda a rede.

EXCESSO DE CLORO NA ÁGUA E OS RISCOS PARA A SAÚDE HUMANA

O consumo de cloro, é visto pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como importante no tratamento de água, desde que em volumes seguros. Quando esses volumes são ultrapassados, o risco de intoxicação com o produto é relativamente alto. O Biólogo Valdir Natal Rochinheski, Especialista em Ciências do Meio Ambiente, destacou:

  1. O cloro é um veneno que tem muitos efeitos colaterais no corpo humano. O produto desencadeia a produção de radicais livres no organismo, que são altamente cancerígenos, causam danos celulares além de eliminar a vitamina E do organismo.
  2. Beber água clorada pode causar problemas das artérias. Uma vez que as artérias estão comprometidas, o colesterol LDL pode unir-se as suas paredes, levando à aterosclerose e doenças cardíacas.
  3. Câncer do rim, bexiga e vias urinárias são mais comuns em determinadas cidades, pois o cloro em excesso, além das normas do governo, é adicionado devido ao abastecimento de água estar muito poluída.
  4. Não é incomum para o abastecimento de água municipal ter níveis de cloro superiores aos recomendados como seguros para uma piscina.
  5. O perigo durante o seu banho. O vapor de um banho quente pode conter até 20 vezes a concentração de cloro da água de torneira.
  6. Beber água clorada da torneira é apenas parte do problema. Maior parte de cloro é absorvido através da pele, e inalado no vapor de um banho que é pior que você beber cinco copos de água da torneira. O calor e o vapor do chuveiro abrem os poros permitindo uma alta taxa de absorção de cloro e outros produtos químicos.
  7.  A inalação de vapores de cloro e outros produtos químicos é uma causa de suspeita de bronquite e asma. Um relatório publicado no American Journal diz que o cloro contribuiu para aumento em certos tipos de câncer, irritações de pele e asma e afirmou que “até 2/3 da exposição foi prejudicial devido à absorção pela pele e inalação de cloro na água do chuveiro”.
  8. A EPA (Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos) declarou: “Devido ao cloro e o vapor do banho, praticamente todas as casas na América têm um nível detectável de gás clorofórmio no ar”. Clorofórmio causa forte irritação respiratória.
  9. O cloro tira os óleos naturais de proteção dos cabelos e da pele, e cria revestimento de secagem e envelhecimento. A pele pode secar e tornar-se áspera e com coceira.
  10. O cloro é também o maior desencadeador do eczema – um grupo de doenças da pele que variam de formas leves caracterizada pela seca, quente, comichão na pele para formas mais graves, onde a pele torna-se rachada e com sangramentos.
  11. A glândula tiroide, localizada no pescoço, ajuda a controlar a taxa de produção de proteína e regular os níveis hormonais. Se você beber muita água clorada, o cloro pode bloquear os receptores de iodo que residem na glândula tireoide e reduzir os níveis de produção de hormônios que contêm iodo no organismo.
  12. Ingestão: líquido pode causar severa queimadura corrosiva na boca, garganta, esôfago e estômago. Sintomas podem incluir dificuldade de engolir, sede intensa, náusea, vômito, diarreia e, casos severos: colapso e morte. Pequenas quantidades de ácido que entre nos pulmões durante ingestão ou vômito (aspiração) causam sério dano ao pulmão e morte.
  13. O cloro é o maior mutilador e assassino de humanos dos tempos modernos. Embora impedido epidemias de uma doença, foi criando outro. Há quatro décadas, após o início da cloração nossa água potável em 1904, a epidemia de problemas cardíacos, câncer, leucemia, senilidade e outras doenças graves começaram”.
  14. O uso de filtros de qualidade para remover o cloro da água da sua casa, da água do seu chuveiro e ter água potável é de bom senso, e irá protegê-lo de potenciais problemas de saúde.

 

Referência: Sabesp, Ministério da Saúde, Grupo Hidrogeron, Valdir Natal Rochinheski (Especialista em Ciências do Meio Ambiente).
Artigo produzido pelo colaborador técnico da DIGITAL WATER, www.digitalwater.com.br.

Atualize seus conhecimentos! Acesse nossos cursos.

Você conhece o analisador de cloro da AKSO?

Equipamento versátil de fácil manuseio, acompanha caixa de proteção, e reagentes para 300 testes, e ainda é oferecido pelo fabricante assistência técnica e garantia de 02 anos.

Pode ser determinado nesse mesmo aparelho o teor de cloro total e livre, faixa de medição de 0,00 – 3,50 ppm, exatidão de 0,05 ppm, pode ser adquirido diretamente através do botão abaixo

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

Faixa de medição: 0.00 a 3.50 ppm
Resolução: 0.01ppm
Exatidão: ± (0.05ppm + 3% leitura)
Temperatura da amostra: 15 a 35 °C
Volume de amostra: 10mL
Fonte de luz: Diodo emissor de luz
Comprimento de onda: 525nm
Célula de medição: Cubeta de vidro
Desligamento automático: após 2 minutos
Idiomas: Inglês, Espanhol e Português
Temperatura de Operação: 0 a 50 °C
Umidade de operação: 10 a 90 %UR (sem condensação)
Alimentação: 9Vdc (1 bateria 9V)
Dimensões (LxAxP): 73 x 77 x 40 mm
Peso: 120g (com bateria)

Gostaria de obter mais informações? Favor enviar sua dúvida ou solicitação de orçamento através do formulário abaixo:

Gostaria de receber os informativos da DIGITAL WATER por e-mail?

3 + 5 =

Compartilhe esse conteúdo:

Siga-nos:

Parceiro de conteúdo

Digital Water

Digital Water

O DW Journal é uma fonte de notícias, artigos técnicos, estudos de caso e recursos científicos sobre o setor de águas, efluentes e meio ambiente. O DW Journal possui como missão, ser um impulsor de atividades técnico-científicas, político-institucionais e de gestão que colaborem para o desenvolvimento do saneamento ambiental, buscando à melhoria da saúde, do meio ambiente e da qualidade de vida das pessoas.

Nossos cursos

DW Journal

Nossos Parceiros

veolia_water_technologies_solutions
veolia_water_technologies_solutions
veolia_water_technologies_solutions
veolia_water_technologies_solutions
veolia_water_technologies_solutions
veolia_water_technologies_solutions
veolia_water_technologies_solutions
veolia_water_technologies_solutions

Guia do Saneamento

Produtos

Conteúdos relacionados

Usamos cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência. Ao navegar neste site, você concorda com a nossa Política de Privacidade.